Entenda a importância de ter um bom gerenciamento de Jornada de Trabalho


Você sabe quantos tipos de jornada de trabalho existem, e porque é tão importante ter um bom gerenciamento delas?

Várias empresas enfrentam sérios problemas quando o assunto é jornada de trabalho. Isso porque muitas vezes, elas não possuem um bom sistema de controle e gerenciamento dos horários trabalhados. E a falta de um sistema desses pode trazer uma série de consequências para o seu negócio.

Como exemplo, não monitorar as horas trabalhadas pode fazer com que seus funcionários realizem muitas horas extras, o que irá prejudicar a qualidade de vida deles e afetar o desempenho de suas atividades. Além disso, sua empresa pode ser alvo de processos trabalhistas envolvendo o mau gerenciamento dessas horas.

Só em 2018 por exemplo, o TRT chegou a registrar 32.476 processos envolvendo horas extras. Para evitar que sua empresa esteja nessa lista, é importante saber não só os tipos de jornada que você pode adotar, mas também a melhor forma de gerenciar as horas trabalhadas.

Afinal, também existem diversos sistemas de controle de ponto, e se você não souber escolher um controle de frequência que atenda às suas necessidades, ele também trará mais problemas para o seu negócio.

Para começar, vamos entender mais sobre o que é jornada de trabalho.

O que é Jornada de trabalho

O conceito de jornada de trabalho é simples, e nada mais é do que a carga horária de trabalho que será cumprida pelo funcionário. Ou seja, é o tempo que o colaborador atua sob o regime da CLT, e que ficará à disposição da empresa.

De acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a jornada de trabalho não pode ultrapassar 44 horas semanais ou 220 horas mensais. Caso esse período seja ultrapassado, o tempo no qual o funcionário trabalhar a mais será considerado como hora extra, que deve ser paga ou que pode ser adotada como banco de horas.

Agora, por mais que a nossa legislação estabeleça esse limite de horas a serem trabalhadas, existem diversos tipos de jornadas que podem ser adotados pelas empresas, sendo que em cada uma delas o funcionário deve cumprir um intervalo intrajornada pré determinado.

Vamos ver mais sobre isso no próximo tópico.

Tipos de jornada de trabalho

Como eu disse acima, o principal tipo de jornada de trabalho é o de 8 horas diárias ou 44 horas semanais, desde que não seja definido outro limite no contrato de trabalho do colaborador.

E dentro dessa jornada, as empresas podem adotar diversos tipos de escalas. As principais que podem ser adotadas são: 5×1; 5×2; 4×2; 6×1; 6×2; 12×36; e 24×48. Cada uma possui suas regras, e por isso sua empresa deve pensar muito bem qual escala deseja adotar, de acordo com seu ramo de atuação e com as atividades que serão desenvolvidas.

Além da jornada de 8 horas, existe outro tipo de jornada que também é muito comum: a dos estagiários.

De acordo com a Lei 11.788, conhecida como a Lei do Estagiário, a jornada de trabalho desses profissionais pode ser vista em 3 tipos: 4 horas diárias / 20 horas semanais; 6 horas diárias / 30 horas semanais; ou 40 horas semanais.

Por fim, o último tipo de jornada que vale a pena ser destacado é a jornada de tempo parcial, que não pode exceder 30 horas semanais, sem a possibilidade de horas extras, ou até 26 horas semanais com a possibilidade de até 6 horas extras.

São muitos tipos de jornada, não é mesmo? Por isso, é fundamental ter um bom controle delas para que sua empresa não sofra prejuízos econômicos. Que tal ver como gerenciar esses horários da melhor forma?

Como Gerenciar as jornadas dos colaboradores

Gerenciar as jornadas de seus funcionários não é uma tarefa fácil. Afinal, além de existirem diversos tipos, também existem várias escalas que podem ser adotadas dependendo da necessidade da sua empresa.

De acordo com a nova Lei da Liberdade Econômica, a quantidade mínima de funcionários que sua empresa precisa ter para ser obrigada a ter um controle de ponto passou de 10 para 20.

E além disso, toda empresa ainda precisa lidar com vários itens como horas extras, banco de horas, os intervalos interjornada e intrajornada, e período de férias por exemplo. São tantos itens que, se não forem bem gerenciados, com certeza trarão dor de cabeça para o seu negócio.

Eu sei que é muita coisa, mas existem diversas ferramentas que auxiliam as empresas no gerenciamento de funcionários. Seja em relação às férias, indicadores de RH, produtividade, sem esquecermos do controle de frequência para esse caso.

Agora, mesmo que as empresas tenham à disposição sistemas completos e modernos, muitas organizações ainda vêm o controle de ponto como uma tarefa chata e burocrática.

Mas calma, preciso te alertar que o cenário mudou. Tudo isso já faz parte do passado, e o controle de ponto digital é o futuro.

Eu costumo falar que existem 2 formas de vermos o controle de ponto. A primeira é como vilão da história, ou seja, aquele sistema ultrapassado que as empresas utilizam só porque a legislação as obriga.

Já a segunda é para aquelas empresas que fazem do controle de jornada um grande aliado para a gestão do seu negócio. Ou seja, são os novos sistemas de controle de jornada que vão muito além da captação de horários.

Com esses sistemas, é possível não apenas seguir a legislação, mas também ter relatórios gerenciais, integração entre departamentos e comunicação com toda empresa.

Mas antes de falarmos sobre esse tipo de sistema quero mostrar para vocês os 4 principais modelos de controle de ponto que são utilizados

Tipos de controle de ponto

O 4 tipos de controle de ponto são: manual, mecânico, eletrônico, e alternativo.

O manual é feito principalmente pelo livro de ponto ou planilha, no qual o próprio funcionário ou gestor anota os horários. Mas aqui, existe um grande risco de erros e fraudes.

O mecânico já utiliza um sistema para esse registro, normalmente por um cartão de ponto que é inserido em um relógio. Apesar de ter sido mais moderno, ele ainda exigia grande burocracia e manutenção.

Como solução, foi criada a Portaria 1510, que estabeleceu as regras para a adoção do sistema de controle de ponto eletrônico. Mas como ainda tinham grande custo, a grande novidade foi o sistema de controle de ponto alternativo.

Por funcionar de forma online, ele permitiu uma grande redução de custos para as empresas, além é claro de uma maior facilidade no registro do ponto.

Um grande exemplo disso são aplicativos de controle de ponto pelo celular, que permite o registro do ponto de qualquer lugar e garante a segurança na marcação por meio de reconhecimento facial.

Hoje, o sistema alternativo se tornou a melhor opção no mercado, uma vez que pode ser adotado de forma fácil por todas as empresas, por proporcionar essa mobilidade na marcação dos horários e por ser o mais seguro disponível.

Mas você deve estar se perguntando: e o controle de ponto por exceção?

Bem, esse modelo de controle de ponto já foi um método muito utilizado para controlar a jornada dos colaboradores, mas vale ressaltar que não é o mais seguro, vou explicar o porquê.

Esse método de controle pode ser utilizado em qualquer modelo citado acima, pois o que vai interferir não é o tipo de sistema, mas sim em como é administrado a informação.

Nele, os funcionários só registram horários atípicos, ou seja, em casos de faltas e atrasos por exemplo. Apesar de ter sido adotado por muitas empresas por ser mais prático, algumas delas se depararam com problemas judiciais, como funcionários alegando terem feito horas extras ou que sofreram descontos indevidos na folha de pagamento.

Ou seja, na prática, o ponto por exceção faz com que as organizações tenham maiores chances de fraudes, e problemas como aumento de horas extras e faltas. Mas então, qual o melhor sistema que deve ser adotado?

O que buscar em um controle de ponto

No tópico anterior, eu mencionei os principais tipos de controle de ponto, e falei que o sistema alternativo é o melhor disponível no mercado para a sua empresa. Mas você sabe quais ferramentas ele possui que o tornam o melhor?

Os sistemas alternativos possuem diversas funcionalidades que otimizam o controle de ponto, e eu separei a seguir algumas delas e que são fundamentais para te ajudar na escolha desse sistema. Confira:

Escalas e jornadas Flexíveis

Você já precisou alterar o horário de trabalho de um funcionário? Isso pode se tornar um grande problemas para algumas empresas, principalmente porque alguns sistemas não possuem essa flexibilidade de alterar as jornadas e escalas dos colaboradores.

Mas com um sistema alternativo, isso não acontece! Ele permite que os gestores possam alterar a jornada e escala de seus funcionários de forma simples e rápida, sem processos burocráticos e demorados. Com isso, com certeza a gestão da sua empresa será muito melhor e mais otimizada.

Sistema de tratamento rápido e intuitivo

Quanto tempo sua empresa leva para fechar a folha de seus funcionários? Afinal, se você encontrar pontos duplicados ou faltantes por exemplo, o RH pode levar muito mais tempo para terminar essa tarefa.

Mas com um sistema alternativo, isso será muito mais rápido! A PontoTel, por exemplo, possui um painel de acompanhamento no qual o gestor pode acompanhar em tempo real todas as informações do registro de ponto de seus funcionários e, em paralelo, fazer correção e inserção de pontos faltantes por exemplo.

Regras de cálculo automatizadas

Como eu disse acima, é muito comum que, ao fechar a folha dos funcionários, a empresa se depare com pontos duplicados, saídas antecipadas, horas extras ou faltas. Já pensou em ter que calcular uma folha com todos esses itens?

Com um simulador de regras de cálculo automatizadas, sua empresa não precisa mais se preocupar com isso! Com ele, é possível calcular diferentes situações da jornada de trabalho dos colaboradores, e permitir que você veja se o funcionário está cumprindo com a jornada estabelecida e a evitar surpresas envolvendo os apontamentos.

Além disso, ele oferece uma maior flexibilidade e permite que cada funcionário tenha uma regra de cálculo diferente, e sua empresa poderá parametrizar de acordo com suas necessidades.

Sistema de gerenciamento de horas extras eficiente

Com certeza sua empresa já teve funcionários que ficaram um tempo a mais em serviço. Agora, se você não adota um banco de horas, e as horas extras são pagas, então é mais do que essencial ter um sistema que garanta o bom gerenciamento dessas horas para que não haja erros na folha de pagamento.

Afinal, como eu disse no começo do texto, o mau gerenciamento das horas extras foi a principal causa de processos trabalhistas até maio deste ano.

Conclusão

Existem diversos tipos de jornada de trabalho que podem ser adotados pela sua empresa. Por isso, é importante não só saber exatamente o que nossa legislação diz sobre elas, mas também o melhor sistema de controle de ponto para gerenciá-las.

O sistema de controle alternativo é a melhor opção disponível no mercado, que com certeza irá garantir a segurança no registro dos horários de seus funcionários.

Não corra o risco de ser alvo de um processo trabalhista envolvendo o mau gerenciamento dessas horas, e adote já um sistema desses!

Fonte: PontoTel/ Jornal Contábil

baixada santistaCLTcontabilidade baixada santistacontador santoseconexescritório de contabilidadejornada de trabalholegislaçãonoticias contábeisobrigações contábeisprocesso de abertura de empresasreceita federalsantostrabalhista